Estádio do Maracanã

 

O VELHO E O NOVO MARACANÃ

Inaugurado em 1950, quando foi utilizado na Copa do Mundo, o Estádio Mário Rodrigues Filho, mais conhecido como Maracanã, se transformou num dos maiores templos do futebol mundial. É um estádio que tem muita história para contar, entre tantas:

O milésimo gol de Pelé, no dia 19 de novembro de 1969, de pênalti, no goleiro Andrada;

M José Fernandes JrEurritimia 2

Foto 1: Eurritimia – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)         Foto 2: M José Fernandes Jr – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)

As conquistas da Libertadores da América e do Campeonato Mundial Interclubes pelo Santos FC em 1962 e 1963;

A inesquecível derrota da seleção brasileira para o Uruguai, na final da Copa do Mundo de 1950, entrando para a história o segundo gol sofrido pelo goleiro Barbosa, um peso que ele carregou pelo resto de sua vida;

O jogo final da Copa das Confederações de 2013;

A finalíssima da Copa do Mundo FIFA de 2014;

Jimmy Baikovicius saWM 2014 2 sa

Foto 1: Jimmy Baikovicius – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)   Foto 2: WM 2014 – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)

A popularização do vôlei brasileiro, deixando em nossa memória momentos inesquecíveis do notável saque “Jornada nas Estrelas” fundamentado por Bernard Rajman, na década de 80;

O primeiro campeonato carioca após a Copa de 1950, vencido pelo Vasco da Gama;

O primeiro título carioca festejado pelo Fluminense, jogando no Maracanã em 1952;

A primeira apresentação da Seleção Brasileira com a camisa amarela, vencendo o Chile por 1 a 0 em jogo válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 1954;

nicholasbittencourt sa 2

Foto: nicholasbittencourt – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)

Jimmy Baikovicius sa

Foto: Jimmy Baikovicius – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)

As tardes e noites gloriosas do Flamengo, de Zico & companhia;

O famoso gol de placa de Pelé, o primeiro no Brasil a receber essa homenagem, na partida entre Santos e Fluminense, válida pelo Torneio Rio-São Paulo de 1961;

O triangular final do primeiro Campeonato Brasileiro em 1971, entre Botafogo, Atlético Mineiro e São Paulo, vencido pelo time mineiro;

Os bons momentos vividos pela torcida do Bangu em 1982, com as conquistas do Torneio dos Campeões e a Taça Rio;

As cerimônias de abertura dos Jogos Pan-americanos de 2007;

Ricardo Stuckert/PR - Agência Brasil CC BY 3.0 pt.w

Créditos: Ricardo Stuckert/PR – Agência Brasil – Fonte: www.pt.wikipedia.org (CC BY 30)

O registro do maior público do mundo entre clubes, na partida entre Flamengo e Fluminense, no dia 15 de dezembro de 1963, com 194.603 presentes;

O recorde oficial de público da história entre seleções (195.513 presentes) registrado em 31 de agosto de 1969, numa partida válida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 1970, entre Brasil 1 x 0 Paraguai;

O jogo de despedida de Pelé com a camisa da seleção brasileira em 1971.

A taça levantada pelo Botafogo em 1989, quebrando um jejum de 21 anos sem títulos, ao derrotar o Flamengo no jogo final por 2 a 1;

A conquista da Copa América, no mesmo ano, pela seleção brasileira, vencendo o Uruguai;

A última vez em que o estádio receberia mais de 100.000 torcedores, em 1999, na final da Copa do Brasil, no empate com sabor de derrota pelo Botafogo, diante do Juventude, que se sagraria campeão;

Enfim, o Maracanã foi e será sempre, um palco de emoções. Desde o gol inaugural de Didi, até os dias atuais. E pronto, para receber as cerimônias de abertura e de encerramento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, em mais um marco histórico do Estádio.

ahlamillerntor nd 2justinknabb sa

Foto 1: aylamillerntor – Fonte: Flickr (CC BY-ND 2.0)       Foto 2: justinknabb – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)

Sua inauguração aconteceu em 16 de junho de 1950, com a realização de uma partida amistosa entre as seleções do Rio de Janeiro e São Paulo.

Com a reinauguração do estádio, após diversas obras de modernização, sua capacidade ficou demarcada em 78.839 espectadores,  continuando, ainda, a ser o maior estádio do Brasil.

Marco Verch yMark Hillary

Foto 1: Marco Verch – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)         Foto 2: aylamillerntor – Fonte: – Flickr (CC BY-ND 2.0)

Além do futebol, o Maracanã é um espaço que costuma ser explorado para a realização de outros eventos. O estádio já foi palco de grandes concertos musicais.

Veja os 11 mais:

KIZZ (1983)  Turnê “Creatures of the Night”, tocando para 250 mil pessoas. O maior público que a banda conseguiu reunir;

TINA TUMER (1988) – Turnê “Break Every Rule”, cantando para 188 mil pessoas. Esse show entrou para o livro dos recordes “Guinnes Book” como o maior show já feito por uma cantora solo;

PAUL MACCARTNEY (1990) – O ex-Beatle tocou para 184 mil pessoas;

Paul MaccatneyAndre Oliveira

Foto 1: Paul McCartney – Fonte: Site Paul McCartney         Foto 2: André Oliveira – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)

FRANK SINATRA (1980) – Sinatra foi o responsável pela realização do primeiro mega concerto no estádio, cantando para 170 mil pessoas;

MADONNA (1993) – Turnê “The Girlie Show”, se apresentando para 120 mil pessoas;

BACKSTREET BOYS (2001) – A boy band americana inaugurou uma nova era do Maracanã depois de sua reforma, com a diminuição de sua capacidade de público, se apresentando para aproximadamente 70 mil pessoas;

SANDY & JUNIOR (2002) – No auge do sucesso, quebrando um tabu, foi o primeiro nome nacional a se apresentar no estádio para a gravação do CD e DVD “Ao Vivo No Maracanã”, para um público excepcional de 70 mil pessoas;

THE POLICE (1982) – Na última grande apresentação de uma atração internacional, The Police arrastou para o estádio mais de 70 mil pessoas, o mesmo número de espectadores que o baixista e cantor Sting, acompanhado do guitarrista Andy Summers e do baterista Stewart Copeland, colocou em sua apresentação de 2007.

The PoliceRodrigo Soldon

Foto 1: The Police – Fonte: Geek Musical           Foto 2: Rodrigo Soldon – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)

IVETE SANGALO (2006) – Na gravação de seu CD e DVD Multishow “Ao Vivo” “Ivete Sangalo No Maracanã”. O show contou com um público aproximado de 50 mil pessoas;

RBD (2006) – A banda mexicana, protagonista da novela “Rebelde”, conseguiu levar 45 mil pessoas ao estádio. O evento também se transformou em DVD.

ROBERTO CARLOS (2009) – O nosso “Rei” também comemorou em grande estilo, no Maracanã, os seus 50 anos de carreira com um grande show. Após duas horas e meia de apresentação, como de costume, distribuiu rosas vermelhas para a plateia que apesar da chuva forte não arredou pé do local, até a despedida do cantor, interpretando a canção “Jesus Cristo”. Roberto cantou para uma plateia empolgada de aproximadamente 68 mil pessoas.

robertonomaraca1Eduardo Melon

Foto 1: Roberto Carlos – Fonte: Blog do Mauro Ferreira      Foto 2: Eduardo Melon – Fonte: Flickr (CC BY 2.0)

Hoje, o Maracanã já não tem mais a antiga geral. Tem na dimensão do gramado 110 m de comprimento por 75 m de largura e mede 32 m de altura, o equivalente a um prédio de seis andares.

Daniel Basil CC BY 3.0 br w Erica Ramalho CC BY 3.0 br pt.w

Foto 1: Erica Ramalho (CC BY 3.0 br)      2: Daniel Basil (CC BY 3.0 br) – Ambas: www.pt.wikipedia.org

Em 2006 foi inaugurado pela Secretaria Estadual de Turismo, Esporte e Lazer, o Museu do Futebol nas dependências do estádio. O primeiro museu do Brasil, dedicado ao futebol, onde o visitante tem à disposição, lojas de artigos esportivos, espaços recreativos e auditórios. É um espaço que vale à pena ser visitado, para conhecer a verdadeira história do nosso futebol arte jogado pelos nossos craques do passado, verdadeiros monstros sagrados como Garrincha e Pelé, considerados os maiores jogadores de futebol que o mundo já conheceu.

Stella Dauer CC BY-SA 2.0 pt.wMartins, Tito domínio público pt.w

Foto 1: Stella Dauer (CC BY-SA 2.0)     2: Martins, Tito (domínio público) – Ambas: www.pt.wikipedia.org

Em comemoração aos 50 anos do Maracanã, no dia 16 de junho de 2000, foi inaugurada a Calçada da Fama, quando ficaram imortalizados vários craques, entre eles: Zico, considerado por muitos, o maior futebolista brasileiro desde Pelé, vindo a se tornar, também, o maior artilheiro do estádio, com 333 gols em 435 partidas.

Michael Tyler saclaudio ruiz sa - Cópia

Foto 1: Michael Tyler – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)       Foto 2: Claudio Ruiz – Fonte: Flickr (CC BY-SA 2.0)

Posteriormente mais alguns nomes entraram na lista, sendo todos:

ADEMIR MENEZES (Ademir Marques de Menezes) – Eleito o melhor jogador do Vasco da Gama nas temporadas de 1949, 1950, 1951 e 1952;

ADEMIR DA GUIA (Ademir da Guia) – Um dos melhores jogadores do futebol brasileiro de todos os tempos, e tido como um dos craques mais injustiçados da história, por nunca ter sido titular da seleção;

ADÍLIO (Adílio de Oliveira Gonçalves) – Um dos melhores meio-campos da história do Flamengo, embora tenha feito só dois jogos pela seleção;

ALEX (Alex Kamianecky) – Ganhador do prêmio Belfort Duarte, jogou 673 partidas pelo América Carioca, chegando a fazer parte da lista dos 40 pré-convocados por João Saldanha para a fase de preparação da Copa do Mundo de 1970;

ALMIR (Almir Morais de Albuquerque) – Conhecido também como Almir Pernambuquinho, foi o substituto de Pelé, e campeão mundial interclubes de 1963 pelo Santos, jogando no Maracanã;

ALTAIR (Altair Gomes de Figueiredo) – Lateral-esquerdo e quarto-zagueiro de boa técnica, defendeu o Fluminense, seu time do coração, em 551 partidas e fez parte da seleção brasileira de 1959 a 1966;

AMARILDO (Amarildo Tavares da Silva) – Jogador de muita habilidade e fundamental na conquista da Copa do Mundo de 1962, substituindo Pelé machucado;

ANDRADE (Jorge Luís Andrade da Silva) – De rara técnica, foi um dos principais nomes do Flamengo na década de 80 ao lado de Zico;

ASSIS (Benedito de Assis da Silva) – Um dos grandes jogadores da história do Fluminense, jogando ao lado de Washington;

BARBOSA (Moacyr Barbosa Nascimento) – Considerado um dos melhores goleiros de sua época, mas sempre lembrado por sua participação na derrota da seleção brasileira na final da Copa do Mundo de 1950 contra o Uruguai;

BEBETO (José Roberto Gama de Oliveira) – Tetracampeão mundial pelo Brasil na Copa do Mundo de 1994 e um dos principais jogadores daquela conquista;

BELLINI (Ideraldo Luís Bellini) – Capitão da Seleção Brasileira na copa do Mundo de 1958 deixou eternizado seu gesto ao levantar a Taça Jules Rimet com as duas mãos sobre a cabeça;

BRANCO (Cláudio Ibraim Vaz Leal) – Um dos heróis da campanha do tetra em 1994, ao marcar um gol decisivo nas quartas-de-final contra a Holanda;

BRITO (Hércules Brito Ruas) – Considerado o melhor atleta na conquista da Copa do Mundo de 1970;

CARLOS ALBERTO (Carlos Alberto Torres) – Capitão da seleção de 70 no México e um dos maiores jogadores da história, em sua posição;

CARPEGIANI (Paulo César Carpegiani) – Substituto de Clodoaldo na Copa do Mundo de 1974. Foi, sem dúvida, um dos melhores do futebol brasileiro em sua posição;

CASTILHO (Carlos José Castilho) – Um grande goleiro. Foi reserva de Gilmar nas copas de 58 e 62;

CHIGGIA (Alcides Edgardo Chiggia) – Campeão da Copa de 1950, pelo Uruguai, acabou marcando a carreira do goleiro Barbosa no segundo gol da Celeste Olímpica, se consagrando como um dos principais destaques daquela Copa. Balançou as redes em todas as partidas que disputou, feito que só seria igualado por Jairzinho na Copa do Mundo de 1970;

CLÁUDIO ADÃO (Cláudio Adalberto Adão) – Centroavante em diversos times brasileiros e estrangeiros, iniciou a carreira profissional no Santos, em 1972, jogado ao lado de Pelé;

CLAUDIO COUTINHO (Cláudio Pêssego de Morais Coutinho) – Preparador-físico, coordenador-técnico e treinador nas Copas do Mundo de 1970, 1974 e 1978. Inventou palavras como “overlapping e polivalência”, além de uma frase que se tornaria célebre: “Fomos os campeões morais dessa copa”, com o Brasil terminando a competição em terceiro lugar invicto, ganhando da Itália por 2 a 1, na Argentina.

DANILO ALVIM (Danilo Faria Alvim) – Titular da Copa do Mundo de 1950, era um futebolista de estilo refinado e que sabia o que fazer com a bola;

DEQUINHA (José Mendonça dos Santos) – Um dos maiores ídolos da história do Flamengo;

DIDA (Edivaldo Alves de Santa Rosa) – O maior artilheiro do Flamengo até a era Zico;

DIDI (Valdir Pereira) – Bicampeão do mundo (1958 e 1962) e eleito o melhor jogador da Copa de 58;

DIRCEU LOPES (Dirceu Lopes Mendes) – Formou com Tostão uma das maiores duplas ofensivas do mundo, chegando a ser comparada a Pelé, Coutinho, Gerson e Jairzinho;

DJALMA SANTOS (Djalma dos Santos) – Eleito pela FIFA como o maior lateral-direito de todos os tempos;

DUNGA (Carlos Caetano Bredom Verri) – Volante e capitão na conquista do tetracampeonato mundial na Copa de 1994, impunha por sua personalidade forte e espírito de liderança;

EDINHO (Edino Nazareth Filho) – Jogador de grande identidade com a torcida do tricolor das laranjeiras, por conta de seu vigor físico e da raça com que se entregava em todos os jogos;

EDMUNDO (Edmundo Alves de Souza Neto) – Um dos maiores jogadores da história do Palmeiras, onde conquistou diversos títulos de expressão, e onde é idolatrado até hoje pela torcida do clube, tendo jogado também no Vasco, Flamengo e Fluminense, além de Corinthians e Santos;

EDU (Eduardo Antunes Coimbra) – Irmão de Zico e um dos maiores jogadores do América do Rio, tendo atuado apenas três vezes pela Seleção Brasileira, pois disputava posição com Pelé e outros craques da camisa 10;

ELIAS FIGUEROA (Elias Ricardo Figueroa Brander) – Jogou no Brasil pelo Internacional de Porto Alegre e é considerado o maior jogador chileno de todos os tempos, tendo também sido eleito o melhor zagueiro da Copa de 1974;

EUSÉBIO (Eusébio da Silva Ferreira) – Nascido em Moçambique e considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos, foi o primeiro estrangeiro imortalizado na calçada da fama do Maracanã;

EVARISTO (Evaristo de Macedo Filho) – Um dos melhores jogadores brasileiros em todos os tempos, tendo se consagrado também como técnico de futebol;

FALCÃO (Paulo Roberto Falcão) – Meio-campista, tecnicamente brilhante, de estilo clássico e elegante. Foi um dos maiores ídolos, até hoje, da torcida do Internacional de Porto Alegre;

FÉLIX (Félix Miéli Venerando) – Goleiro titular da seleção na conquista da Copa do Mundo de 1970 no México;

FRANZ BECKENBAUER (Franz Anton Beckenbauer) – Tido pela maioria dos especialistas como o maior líbero da história do futebol. Foi duas vezes campeão do mundo pela Seleção Alemã. Em 1974 como jogador e em 1990 como técnico;

FRIAÇA (Albino Friaça Cardoso) – Jogador rápido e de chute potente, jogava como centroavante e foi um dos maiores artilheiros do Vasco da Gama;

GARRINCHA (Manuel Francisco dos Santos) – O mais célebre ponta direita do futebol. Para muitos melhor até que Pelé, apesar das pernas tortas;

GEOVANI (Geovani Silva) – Um nome sempre lembrando no Vasco da Gama, jogando ao lado de craques como Romário e Roberto Dinamite;

GÉRSON (Gérson de Oliveira Nunes) – Tricampeão no México ao lado de Pelé e outros grandes craques;

GYLMAR (Gylmar dos Santos Neves) – Considerado até os dias atuais, como um dos melhores de todos os tempos em sua posição;

IPOJUCAN (Ipojucan Lins de Araújo) – Meia-atacante alto e bastante habilidoso, tendo jogado 20 anos no Vasco da Gama;

JAIR ROSA PINTO (Jair Rosa Pinto) – Jogador de seleção brasileira, Jair fazia parte de uma linha fantástica do peixe, formada por ele, Dorval, Pagão, Pelé e Pepe;

JAIRZINHO (Jair Ventura Filho) – Um dos heróis na conquista definitiva da Taça Jules Rimet, no México, tendo marcado gol em todas as partidas naquela Copa;

JOEL (Joel Antônio Martins) – Ponta-direita driblador e um dos destaques da equipe do Flamengo no decorrer da década de 50;

JOEL SANTANA (Joel Santana) – Campeão carioca como treinador nos quatro grandes clubes carioca, tendo atuado com êxito como zagueiro pelo Vasco da Gama;

JORGINHO (Jorge de Amorim Campos) – Lateral-direito e campeão do Mundo na Copa de 1994;

JULINHO (Júlio César de Andrade Moura) – Também conhecido como Júlio Botelho, foi um dos maiores ponta-direita do futebol brasileiro;

KAKÁ (Ricardo Isecson dos Santos Leite) – Antes de sair do Brasil jogava pelo São Paulo onde foi ídolo. Depois, jogando na Europa, conquistou o prêmio de melhor jogador do mundo, indicado pela Fifa em 2007;

JÚNIOR (Leovegildo Lins da Gama Júnior) – Jogador técnico, polivalente e com muita facilidade para jogar, tendo se consagrado no Flamengo e também no exterior;

LEANDRO (José Leandro de Souza Ferreira) – Grande ídolo da torcida do Flamengo, até hoje, tendo feito parte da seleção que é considerada um dos maiores times que o futebol já produziu, quando da participação na Copa do Mundo de 1982, sob o comando de Telê Santana;

LEÃO (Emerson Leão) – Além de grande goleiro, também é conhecido pelas suas declarações e atitudes polêmicas. Foi titular absoluto da Seleção de 1971 a 1979;

LEÔNIDAS (Sebastião Leônidas) – O inventor da bicicleta ficou conhecido também como o Diamante Negro;

LUÍS PEREIRA (Luís Edmundo Pereira) – Jogador de muita técnica, ídolo no Palmeiras, foi considerado o segundo maior jogador de defesa do futebol brasileiro, suplantado apenas por Domingos da Guia;

LUIZINHO (Luiz Alberto da Silva Lemos) – Ídolo no América do Rio e maior artilheiro do clube;

MANGA (Haílton Corrêa de Arruda) – Jogou com muito brilho no Botafogo e Internacional, sendo considerado pela crítica, como um dos melhores goleiros do futebol brasileiro;

MARCO ANTÔNIO (Marco Antônio Feliciano) – Convocado para a Copa do Mundo de 1970 e 1974. Jogou pelo Fluminense e Vasco e atuou, também, pela Seleção Brasileira, na Copa América de 1979;

MARINHO (Mário Caetano Filho) – Tido como a maior transferência realizada no Estado do Paraná, quando foi contratado pelo Flamengo junto ao Londrina Esporte Clube;

MARINHO CHAGAS (Francisco das Chagas Marinho) – Ídolo no Botafogo, e considerado pela imprensa como o melhor lateral esquerdo da Copa do Mundo de 1974;

MARTA (Marta Vieira da Silva) – Por cinco vezes consecutivas foi escolhida como a melhor futebolista do mundo, um recorde entre mulheres e homens;

MENDONÇA (Milton da Cunha Mendonça) – O maior artilheiro de Marechal Hermes.

NILTON SANTOS (Nilton dos Santos) – Eleito pela FIFA como o melhor lateral-esquerdo de todos os tempos;

ORLANDO (Orlando Peçanha de Carvalho) – Titular em duas Copas do Mundo (1958 e 1966), tendo ficado de fora da Copa de 62 por atuar fora do país;

PAMPOLINI (Américo Pampolini Filho) – Volante revelado pelo Cruzeiro, jogou no Botafogo de 1955 a 1962 e terminou sua carreira na Portuguesa de Desportos em 1968;

PAULO BORGES (Paulo Luís Borges) – Contratado pelo Corinthians junto ao Bangu. Com seu gol, ajudou a por fim num dos mais famosos tabus do futebol brasileiro, quando o time de Parque São Jorge estava há onze anos sem vencer o Santos no campeonato paulista;

PAULO CEZAR CAJU (Paulo Cézar Lima0 – Revelado pelo Botafogo foi convocado para a seleção de 1970, tida como o melhor time de todos os tempos;

PAULO HENRIQUE (Paulo Henrique Souza de Oliveira) – Jogou do Flamengo, Botafogo e Avaí de Santa Catarina, tendo jogado também na seleção brasileira de 1966 a 1967;

PAULO VITOR (Paulo Vitor Barbosa de Carvalho) – Um dos melhores da posição, jogando pelo Fluminense;

PELÉ (Edson Arantes do Nascimento) – Considerado o maior futebolista da história, conquistou sua primeira Copa do Mundo aos 17 anos, depois de ter sido convocado com 16. É o único futebolista a ter feito parte de três equipes campeãs de Copa do Mundo;

PEPE (José Macia) – O segundo maior artilheiro da história do Santos. Só não foi titular da Seleção Brasileira nas campanhas de 1958 e 1962 por motivo de contusões às vésperas da Copa, quando foi substituído por Zagallo;

PETKOVIC (Dejan Petkovic) – Ídolo no Vitória, Flamengo, Vasco da Gama e Fluminense, era especialista em cobranças de faltas, escanteios, lançamentos, passes e chutes precisos, tendo sido um dos jogadores estrangeiros mais técnicos a atuar no Brasil;

PINGA (José Lázaro Robles) – Jogou na Portuguesa, junto com Djalma Santos, Vasco da Gama, Juventus e na Seleção Brasileira, de 1950 a 1954, sendo até hoje, o maior artilheiro do time de Canindé;

PINHEIRO (João Carlos Batista Pinheiro) – Titular absoluto durante doze anos da zaga do Fluminense;

QUARENTINHA (Waldir Cardoso Lebrêgo) – Maior artilheiro da história do Fluminense. Teve também passagem brilhante pelo Botafogo;

RAUL PLASMANN (Raul Guilherme Plasmann) – Ótimo goleiro, verdadeiro ídolo no Cruzeiro e também no Flamengo, apesar de ter disputado apenas 17 partidas pela seleção brasileira;

REINALDO (Reinaldo da Cruz Oliveira Nascimento) – Um dos jogadores mais talentosos de sua época, atuando pelo Atlético Mineiro;

RENATO GAÚCHO (Renato Portaluppi) – Marcado positivamente pelo famoso gol de barriga na vitória sobre o Flamengo por 3 a 2, que deu ao Fluminense, o título carioca de 1995;

RIVELLINO (Roberto Rivellino) – Craque e ídolo no Corinthians e Fluminense, e um dos principais jogadores na conquista da Copa do Mundo de 1970, atuando improvisado como ponta esquerda, já que a camisa 10 pertencia a Pelé;

ROBERTO DINAMITE (Carlos Roberto de Oliveira) – Jogador brilhante no Vasco da Gama, onde é tido até hoje como o maior ídolo do clube;

ROBERTO MIRANDA (Roberto Lopes de Miranda) – Com passagem pelo Flamengo e Corinthians, fez parte da seleção brasileira na Copa de 70. Jogou também no Botafogo;

RONALDINHO GAÚCHO (Ronaldo de Assis Moreira) – Campeão mundial pela seleção brasileira, na Copa de 2002, foi considerado o jogador mais talentoso de sua geração, sendo eleito duas vezes pela FIFA, como melhor jogador do mundo;

RONALDO FENÔMENO (Ronaldo Luís Nazário de Lima) – Também campeão do mundo na Copa de 2002, se profissionalizou no Cruzeiro e é considerado por especialistas e fãs, como um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos, tendo sido eleito duas vezes pela FIFA, como o melhor do mundo;

RONDINELLI (Antônio José Rondinelli Tobias) – Considerado no Flamengo o “Deus da raça”, por sua disposição e garra, atuou também pela seleção brasileira de 1979 a 1980.

ROMÁRIO (Romário de Souza Faria) – É considerado um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Entre seus muitos títulos figura a conquista da Copa do Mundo de 1994, formando com Bebeto um das melhores duplas de ataque da seleção canarinho;

ROMERITO (Júlio César Romero Insfrán) – Jogador técnico de grande visão de jogo e espírito guerreiro, o que o fez transformar, para muitos, no maior jogador paraguaio de todos os tempos, ficando famoso no Brasil por sua passagem pelo Fluminense;

RUBENS (Rubens Josué da Costa) – Jogador da Portuguesa de Desportos, na fase áurea do time, juntamente com Djalma Santos, Pinga, Julinho Botelho e Brandãozinho, tendo, inclusive, colocado seu nome entre os convocados da seleção para a Copa do Mundo na Suíça em 1954;

SAMARONE (Wilson Gomes) – Conhecido também como o “Diabo Loiro” iniciou sua carreira na Portuguesa Santista e depois jogou pelo Fluminense, Corinthians, Flamengo e Portuguesa de Desportos;

SILVA (Walter Machado da Silva) – Silva Batuta, como também era conhecido, integrou a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1966 e atuou em vários clubes no Brasil e exterior, entre eles, Flamengo, Corinthians, Botafogo, Vasco e Santos;

SÓCRATES (Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira) – Ovacionado pela torcida corintiana, foi um dos melhores jogadores brasileiros e fez parte daquela seleção fantástica de 1982;

TELÊ (Telê Santana da Silva) – Além de ter sido um importante treinador, foi também, um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro, tendo jogado no Fluminense, Flamengo, Atlético Mineiro e São Paulo;

TITA (Milton Queiroz da Paixão) – Meia-atacante de muito prestígio, começou a jogar futebol nas divisões de base do Flamengo, tendo participado de todas as grandes conquistas do rubro-negro durante aquele período mágico no início dos anos 80;

TOSTÃO (Eduardo Gonçalves de Andrade) – Considerado um dos grandes jogadores do futebol nacional e internacional, Tostão foi uma peça importante no ataque do Brasil na conquista do tricampeonato no México na Copa de 1970, jogando sem a bola. Com Dirceu Lopes, no Cruzeiro, formou uma das melhores duplas de ataque do futebol brasileiro, tendo jogado, também, no Vasco da Gama;

VAVÁ (Edvaldo Izídio Neto) – Ídolo no Vasco e Palmeiras, Vavá era conhecido como o “peito de aço”. Jogou duas copas do mundo, tendo sido um dos artilheiros na conquista do bicampeonato pelo Brasil em 1962, no Chile, com cinco gols;

WALDO (Waldo Machado da Silva) – Começou no Fluminense, onde jogou com grande destaque, tendo encerrado a carreira no Valência da Espanha;

WASHINGTON (Washington César Santos) – Centroavante clássico e verdadeiro matador, formou com Assis uma das melhores duplas de ataque da história do Fluminense, tendo feito também nove jogos pela seleção brasileira;

ZAGALLO (Mário Jorge Lobo Zagallo) – O formiguinha da Copa de 58 e 62 foi bicampeão também, pelo Botafogo, jogando ao lado de astros como Garrincha, Didi e Nilton Santos;

ZICO (Arthur Antunes Coimbra) – O maior jogador da história do Flamengo e ídolo, até hoje, da torcida rubro-negra;

ZINHO (Crizam César de Oliveira Filho) – Meia-armador, jogou no Flamengo, Grêmio, Cruzeiro e Palmeiras. Jogou também nessa posição pela seleção brasileira, na campanha do tetra-campeonato mundial na Copa de 1994;

ZITO (José Ely de Miranda) – Jogador de personalidade forte “uma espécie de gerente” tanto no Santos quanto na seleção brasileira, Zito foi um verdadeiro líder. Como capitão, conquistou pelo Santos, os mais importantes títulos na história do clube, e pela seleção brasileira, dois títulos mundiais;

ZIZINHO (Tomás Soares da Silva) – Um dos maiores jogadores da história do futebol mundial. Conquistou títulos no Flamengo, Bangu e São Paulo. Foi um dos principais jogadores da seleção brasileira em sua época;

ZÓZIMO (Zózimo Alves Calazans) – Zagueiro clássico e inteligente, foi reserva na Copa do Mundo de 1958, mas titular absoluto na copa seguinte ganhando o bicampeonato;

 

Assista o vídeo oficial quando da apresentação do projeto do novo Maracanã – Créditos: www.maracana.proderj.rj.gov.br – Fonte: Youtube

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *